Create ad!
Access personal area List of Properties

Date: 20/8/2019
Frequence: Daily
Editions: Free

News Search

Search

06 October 2010

Medidas de austeridade terão efeitos negativos no mercado imobiliário

Medidas de austeridade terão efeitos negativos no mercado imobiliário, afirma Reis Campos

O pacote de medidas de consolidação orçamental que o Governo apresentou há uma semana levanta algumas dúvidas e preocupações. Para o presidente da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI), o mercado vai sofrer com estas medidas, sobretudo o segmento habitacional.

«O mercado imobiliário vai, com toda a certeza, sofrer as consequências destas medidas, que se reflectirão na actividade das empresas, sobretudo no segmento habitacional, já profundamente penalizado. Desta forma, os efeitos imediatos serão mais desemprego. Veja-se que há cerca de dois anos afirmámos que se nada fosse feito para inverter a situação que se vivia no sector, em particular no mercado da habitação, responsável por cerca de 60% da mão-de-obra, se poderiam perder 95 mil trabalhadores, cenário que se veio a confirmar», afirma Reis Campos, presidente da CPCI.

Para este responsável, o sector da Construção e do Imobiliário será mesmo, e uma vez mais, «um dos mais afectados pelas propostas anunciadas pelo Governo». «Basta ver que a única medida que efectivamente entrou em vigor foi, por despacho do Ministério das Finanças e da Administração Pública, a imediata suspensão de novos investimentos públicos. E não se trata dos “grandes investimentos”, mas de todos os projectos de proximidade que asseguram a actividade das empresas e o emprego, tais como hospitais, escolas, reabilitação, manutenção preventiva de infra-estruturas como pontes e estradas, que o Estado não pode descurar, sob pena de colocar em causa a segurança pública. As restantes medidas serão ainda alvo de debate e negociações, mas o corte no investimento já é efectivo e irá agravar significativamente a situação das empresas do sector».

Na sua opinião, também os níveis de confiança e a capacidade de investimento dos portugueses, designadamente em bens duradouros como o é a habitação, sairão profundamente afectados.

«Neste momento, as famílias não dispõem de alternativas que no actual contexto de incerteza e de dificuldades no acesso ao crédito lhes permitam aceder à habitação. Porém, há que contrariar esta tendência e, neste sentido, a Confederação da Construção e do Imobiliário desenvolveu um estudo que apresenta soluções que devem ser contempladas no Orçamento de Estado, tendo por base a mobilização do investimento privado e dos fundos comunitários previstos no QREN». Entre elas, Reis Campos destaca a «dinamização da reabilitação urbana, o reforço do investimento público na conservação e manutenção das infra-estruturas necessárias ao País, a criação de condições para aumentar a competitividade das empresas, e o apoio à internacionalização da Construção e do Imobiliário».

Maior ponderação na tomada de decisões

No contexto das medidas agora apresentadas, a Era Portugal antecipa períodos de maior ponderação e reserva na tomada de decisões no sector imobiliário. Mas mantém-se optimista.

«Pensamos que a esmagadora maioria dos portugueses percebe que as medidas de austeridade eram inevitáveis. Provavelmente nos próximos meses encontraremos algumas reservas e maior ponderação na tomada de decisões no sector imobiliário. Mas encontraremos, por outro lado, novas lógicas de mercado, com maior flexibilidade dos mercados e dos seus agentes e, neste contexto, consideramos que é expectável que os preços das casas baixem», entende Miguel Poisson, director geral da Era.

Para o mesmo responsável, «o aumento do IVA para 23% e as alterações de IMI e IMT irão certamente, no contexto actual de maior dificuldade de acesso ao crédito à habitação, contribuir para uma maior pressão sobre os proprietários que têm actualmente a sua casa à venda. Para poderem efectivamente vender as suas casas, os proprietários vão ter que aceitar o preço oferecido pelo mercado».

A Era perspectiva, por outro lado, uma «subida da procura ao nível do arrendamento, mas sempre condicionado pela pouca oferta que este mercado oferece e da quase inexistência de protecção real aos proprietários dos imóveis. O actual sistema de justiça não responde eficazmente ao incumprimento do pagamento das rendas por partes dos inquilinos».

“Oportunidades de negócio vão continuar a surgir”

Para a Era, não será mais este “apertar do cinto” que vai impedir que as oportunidades de negócio continuem a surgir. «Há mais de 300.000 casas à venda em Portugal e culturalmente os portugueses preferem comprar, pois preferem pensar numa perspectiva de longo prazo e encaram a compra de um imóvel como uma forma de aforro e poupança. Apesar das circunstâncias, acreditamos que a ERA vai continuar a crescer e a ganhar quota de mercado», afirma Miguel Poisson.

«Muitas vezes, os momentos de retracção económica traduzem-se em momentos de crescimento e conquista, pois há um maior empenho e maior necessidade por parte das empresas e das pessoas em inovar, em apostar na tecnologia e na criatividade, e na procura de soluções».

«É possível que haja temporariamente uma retracção da procura e muitas famílias poderão adiar as decisões de compra mas acabarão certamente por comprar. A vida continua. Curiosamente, as baixas taxas de juro na remuneração dos depósitos a prazo e a falta de confiança em alguns activos financeiros têm levado muitos investidores a utilizar as suas poupanças para apostar no sector imobiliário que tem proporcionado historicamente em Portugal um retorno de investimento mais seguro», conclui.

Source: CASASAPO

All Comments:1Comments

(06 Oct 10 02:49) filomena ferreira

crise

este governo ainda nao viu que construçao e imobiliario parado e pais parado,conseguimos uma lufada de ar fresco o 2ºtrimestre, e ja vamos parar outro vez, nao ganhamos para as contas quanto mais para investir ou poupar...fora com o governo, o presidente que governe que contrate bons profissionais para gerir, e acaba-se com os partidos.......................

Comment

Submit

The comments are always subject to previous approval. Comments that are offensive, defamatory, slanderous, discriminatory, and inadequate to the text that is being commented on, will not be placed online.