Create ad!
Access personal area List of Properties

Date: 18/9/2019
Frequence: Daily
Editions: Free

News Search

Search

12 March 2019

A competitividade estratégica de Portugal tem uma oportunidade na nova “Rota da Seda”!

Jorge Garcia, Especialista em Imobiliário

A recente visita do presidente chinês, Xi Jinping, veio confirmar uma maior proximidade chinesa formalizada na última década. Um caminho iniciado no século XVI com a chegada dos navegadores portugueses à China e que no século XXI tem a sua reciprocidade.

Para compreender a competitividade de Portugal é necessário analisar as tendências evolutivas de um conjunto de factores como, economia interna e internacionalização, finanças e decisões governamentais, infra-estruturas, gestão, inovação e recursos humanos.

Em 2018, Portugal subiu no ranking de competitividade do IMD (Institute for Management Development), 33 º em 63 economias mundiais. Esta foi a nossa melhor posição desde a edição de 2004. Para essa subida contribui mais significativamente a eficiência empresarial e o desempenho económico. E que novos “input´s” poderá trazer-nos esta aproximação chinesa? O reforço do investimento chinês em Portugal e de investimentos luso-chineses em Países terceiros na Europa, África e América Latina conjugando a força financeira da China com o nosso “know-how”.

Citando Deng Xiaoping “ _a prática é o teste da verdade”. Para lá das intenções expressas importará testar a sua efectividade. Numa economia globalizada, um novo sistema mundial poderá vir á articular as relações de poder económico e as suas dependências. Novos padrões de especialização e divisão do trabalho internacionais irão ser relevantes numa nova era de cadeias de valor globais. A “Cintura e Rota” é o primeiro exemplo de uma política económica transnacional. Em Portugal a política externa não se reduz à política europeia. Somos uma porta de entrada na Europa e num vasto mercado que fala português e temos relações consolidadas na América Latina, na África Subsariana e na Índia. Com os EUA virados para si próprios apostados no protecionismo e no fortalecimento do dólar, a China procura colocar-se no centro de uma nova ordem económica global.

Em Portugal no turismo e no imobiliário continuamos a apresentar bons resultados. Estabilização nas dormidas, 21 milhões de hóspedes, 57 milhões de visitantes e receitas na ordem dos 17 mil milhões de euros. Dos 13 milhões de turistas chineses que viajaram para Europa, foram registadas em Portugal 455.000 dormidas de 260.000 visitantes, sendo o turista que mais consome per capita. A procura turística chinesa tem um elevado potencial de crescimento em número de visitantes e duração média de estadia. Continuar a aposta de promoção nesse mercado emissor, particularmente no digital, apostando em parcerias com operadores turísticos, Alibaba Group e o “We Chat” é da maior importância.

O turismo continuará a ser a maior atividade económica exportadora do nosso país e a principal fonte de financiamento da balança comercial. Pelo segundo ano consecutivo Portugal foi considerado o “Melhor Destino do Mundo” pelos” World Travel Awards”, um dos mais importantes prémios do turismo à escala mundial. Turismo que atraia visitantes que pela sua experiência se tornem residentes e investidores. Uma nova procura que de acordo com o “ Emerging Trends in Real Estate Europe” coloca Lisboa no 1º lugar do destino de investimento imobiliário na Europa em 2019.

Turismo que a par do imobiliário poderá impulsionar a marca global Portugal, “umbrela” que permita impulsionar outros sectores da actividade económica e outras marcas nacionais, na indústria, agro-alimentar, comércio e serviços. Portugal tem de se tornar atractivo numa estratégia de expansão consolidada e transversal, que crie produtos e serviços, diferenciados e de qualidade, que possibilitem experiências exclusivas aos consumidores. Em Portugal continuamos a ver nas circunstâncias externas, obstáculos que podem aniquilar os nossos melhores planos. Em primeiro lugar é preciso pensar estratégico. Depois aproveitar o que de melhor as circunstâncias externas nos permitam. A “Rota da Seda” poderá tornar-se uma oportunidade de cooperação estratégica com o investimento chinês.

Source: Jorge Garcia, Especialista em Imobiliário

Comment

Submit

The comments are always subject to previous approval. Comments that are offensive, defamatory, slanderous, discriminatory, and inadequate to the text that is being commented on, will not be placed online.