¡Crear anuncio!
Entrar en el Área Personal Listado de inmuebles

Fecha: 6/12/2019
Fecha: Diaria
Ediciones: Gratis

Buscar Noticias

Buscar

19 noviembre 2019

Os operadores do imobiliário encaram o novo ciclo político com confiança e prudência!

Jorge Garcia, Especialista em Imobiliário

Com a publicação dos resultados eleitorais de 6 de Outubro, estão criadas as condições para que o XXII governo constitucional seja formalmente empossado. Organicamente ao manter a Secretaria de Estado da Habitação o governo parece querer apostar na continuidade. Mas sendo um governo não suportado por uma maioria parlamentar na Assembleia da República, os operadores do mercado imobiliário ficam na expectativa das políticas governamentais quanto ao imobiliário e à habitação.

Se por um lado promotores e investidores imobiliários, nacionais e estrangeiros, mantêm interesse em investir em Portugal, segundo o “Portuguese Investment Property Survey”, apresentado na última edição do SIL - Salão Imobiliário de Portugal, 75% pretendem lançar novos projectos nos próximos três meses, por outro lado as tendências intervencionistas do anterior governo e as medidas populistas exigidas pelos seus parceiros na anterior legislatura, podem refrear essas expectativas de investimento.

Também organicamente, o futuro governo, parece apostado na modernização administrativa. Ao discurso governamental do “simplex” e das grandes intenções da modernização administrativa, um contraponto real de excessiva burocracia e abusivos tempos de licenciamentos camarários urbanísticos e hoteleiros, dois dos maiores “gargalos” do investimento turístico e imobiliário. Quanto a outros factores críticos para a captação de investimento como a estabilidade legal e fiscal, espera-se que impere a racionalidade. Foram as pressões populistas dos parceiros de governo na anterior legislatura, que levaram à introdução de mais um imposto sobre o património imobiliário, o AIMI- Adicional ao Imposto Municipal de Imóveis.

Apesar de improvável concretização, no início de cada legislatura os operadores do mercado imobiliário têm expectativa que possa ser possível estabelecer um pacto de regime que permita a estabilidade legal e fiscal no longo prazo. Mas no curto prazo, a redução do IVA de 23% para 6% na construção nova, a exemplo do bem sucedido desagravamento fiscal na reabilitação urbana, seria uma medida política estruturante com impacto positivo no custo da construção e assim nos preços da habitação.

Enquanto gerimos expectativas face à nova legislatura, no segmento da mediação imobiliária, grandes desafios se colocam. O impacto da tecnologia na actividade, formação profissional e a regulamentação da actividade. As profissões imobiliárias, que nos últimos anos atraíram milhares de novos operacionais, carecem de maior dignificação e profissionalização. Resistindo a tentações intervencionistas excessivamente burocráticas, mercado, operadores e profissionais imobiliários, coincidem na necessidade de regulamentar a mediação imobiliária. Mesmo que a exemplo de outros ciclos de reajustamento, o número de operacionais afectos a esta actividade diminua, estima-se que hoje existam mais de 50.000, deve garantir-se que possuem conhecimentos e requisitos mínimos para exercer esta profissão. O próprio conceito de mediação imobiliária está em causa. A exemplo do que já acontece noutros mercados imobiliários como o norte-americano, um agente/consultor imobiliário deve comportar-se como representante dos interesses do seu cliente, seja ele proprietário ou comprador /arrendatário, num negócio imobiliário.

Uma nota final para a significativa presença da promoção imobiliária no Salão Imobiliário de Portugal reveladora do seu dinamismo. Outra referência para mais uma aposta de internacionalização de Beatriz Rubio e Manuel Alvarez que avançaram com outros parceiros na aquisição da operação RE/MAX no território alemão. Por último, a chegada ao nosso País da BHHS - Berkshire Hathaway Home Services, que tem o bilionário Warren Buffett como principal acionista. Depois de Espanha através de uma parceria com a imobiliária Larvia, a BHHS iniciou a sua operação em Portugal através de uma parceria com a Portugal Property.

Fuente: Jorge Garcia, Especialista em Imobiliário

Comentario

Enviar

Los comentarios están siempre sujetos a previa aprobación. Quedarán excluidos de ser publicados los comentarios considerados ofensivos, insultantes, difamatorios, incitadores a la violencia, discriminatorios e inadecuados con el texto que se desea comentar.