Venda ou alugue a sua casa!
Área Pessoal Lista de imóveis Social

Pesquisar Notícias

Pesquisar

04 outubro 2018

IRS e IRC sobre negócios de imóveis sobem mais de 70%

habitacao

A velocidade a que as casas mudam de dono e a subida dos preços que acompanham estas transações têm feito entrar cada vez mais receita nos cofres das autarquias. Mas estas estão longe de ser as únicas a beneficiar do bom momento que o mercado imobiliário atravessa. O Estado também tem motivos para festejar, já que no espaço de quatro anos, o valor do IRS pago sobre rendas e o IRC pago pelas empresas com atividades imobiliárias disparou mais de 70%. 


As contas são da Deloitte. A consultora calcula que, entre 2014 (ano em que começou a consolidar-se a recuperação do mercado) e 2018, o IRS entregue pelos senhorios passou de 301 milhões de euros para 537 milhões (+78%). E ainda que parte desta subida possa estar associada ao maior cerco do fisco aos arrendamentos clandestinos, outra parte deve-se ao aumento do valor das rendas.

Em rota ascendente tem também estado o IRC pago pelas empresas ligadas às atividades imobiliárias, estimando-se que naquele período tenha avançado de 127 milhões para 218 milhões. Somados ao IMI e ao IMT todos estes impostos irão render este ano cerca de 3,3 milhões de euros, ou seja, quase mais mil milhões do que em 2014.

Os dados disponíveis sobre os rendimentos da categoria G (mais-valias) não distinguem os que têm origem em ativos mobiliários e imobiliários, mas tendo em conta que os primeiros são de englobamento opcional, tudo indica que grande parte da subida observada de 2014 para 2016 – de 431 milhões para 861 milhões de euros – se deva a movimentos de vendas de imóveis. 

Portugal isenta do pagamento de mais-valias os rendimentos obtidos com a venda da habitação própria e permanente e tributa a 50% as que resultem da venda de outros imóveis, aplicando-lhes as taxas de IRS existentes para os cinco escalões de rendimento. A isenção de IRS sobre as mais-valias da venda da primeira habitação é também prática comum em muitos países da Europa, mas ao contrário do que se passa em Portugal, exige-se que o imóvel seja detido por um determinado período de tempo para haver lugar a esta borla fiscal. Por cá, esta exigência temporal não existe, pelo que, no limite, a casa pode estar apenas um mês como sendo de habilitação própria e permanente para haver isenção. 

Nos restantes negócios que envolvem imóveis, França, Alemanha, Suécia e Espanha, por exemplo, aplicam as taxas gerais do imposto sobre a totalidade da mais-valia apurada, enquanto a Irlanda aplica uma taxa fixa de 35%.

Comentário

Submeter

Os comentários são sempre sujeitos a apreciação prévia. Ficam excluídos da sua colocação online os comentários considerados ofensivos, insultuosos, difamatórios, inflamados, discriminatórios, e desadequados ao texto alvo de comentário.