Venda ou alugue a sua casa!
Área Pessoal Lista de imóveis Social

Pesquisar Notícias

Pesquisar

04 dezembro 2018

Dez 'insights' sobre as residências de estudantes em Portugal

estudantes

Conheça os dez principais insights que sobre as residências de estudantes em Portugal para a geração Z, onde as exigências estão a sofrer um processo de transformação.

Segundo o mais recente estudo da consultora CBRE, tradicionalmente, uma residência de estudantes oferecia aos estudantes um quarto partilhado num apartamento ou numa residência universitária. Actualmente, com a entrada na Universidade da geração Z, as exigências no cariz das residências para estudantes está a sofrer um processo de transformação. É cada vez mais comum o novo tipo de residência de estudante oferecer, não só um quarto, mas um espaço construído para responder às necessidades dos estudantes, quer em termos profissionais ou de lazer, integrando no activo salas de jantar privadas, ginásios ou até mesmo piscina.

No último ano, em Portugal, contabilizaram-se mais de 360.000 estudantes, sendo que, 40% destes residiam em Lisboa e 12% no Porto. Relativamente a estudantes estrangeiros, o número atingiu os 37 mil estudantes, que correspondem a 10% do total. De acordo com dados estatísticos fornecidos pelas Universidades, as nacionalidades dos estudantes internacionais são bastante diversificadas, mas destacam-se os dos países de língua oficial portuguesa e Alemanha.

Para este tipo de estudantes, Portugal é reconhecido pelo seu clima ameno, excelente qualidade de vida, um nível de segurança acima da média e ainda os diversos espaços ao ar livre que cidades como Lisboa e o Porto oferecem. Atualmente, estes mesmos estudantes têm ainda a oportunidade de realizar cursos totalmente em inglês, com reconhecimento internacional. No caso de um MBA, por exemplo, a diferença nas propinas entre o Reino Unido (60.300€) e Portugal (50.700 euros) é muito significativa, o que torna Portugal numa opção bastante viável face às mais tradicionais.

Em 2018, dez universidades portuguesas alcançaram o top 100 das Melhores Universidades segundo o QS World University Rankings by Subject. O crescente reconhecimento internacional, tem conduzido a uma afluência de estudantes estrangeiros. A título de exemplo, no ano letivo de 2016-2017, a NOVA Business School, umas das universidades que mais tem subido nos rankings internacionais, recebeu cerca de 1.800 inscrições de estudantes de mestrados estrangeiros, estando previsto um crescimento ainda maior com a mudança para as novas instalações. Apesar da crise económica, o número de estudantes em Portugal continuou a crescer, sendo que entre 2013 e 2017 foi registado um aumento de quase 30%.

A CBRE indica que relativamente ao alojamento, os valores em residências disponibilizadas pelas universidades ronda, por norma, os 300€ mensais, sendo que existem situações especiais, em que os preços praticados são mais económicos, como é o caso dos alunos bolseiros. No caso das residências privadas, que oferecem vários quartos por edifício, os valores rondam os 400 euros mensais em Lisboa e 300 no Porto. Actualmente, há um pequeno número de operadores de residências de estudantes já activos neste sector, como o HUB Alvalade (470 euros/mês) ou até o SPRU Sapadores (302 euros/mês).

O tradicional mercado estudantil, apesar de todas as ofertas em diferentes partes da cidade, continua ainda a registar uma maior incidência junto dos campus universitários.

Dada a oferta de operadores internacionais, o alojamento profissional para estudantes revela-se uma alternativa bastante interessante para todos aqueles que pretendem investir em Portugal.

Esta nova tendência está também a ser mais notada no Porto, onde a oferta de alojamento em residências com gestão especializada é ainda muito reduzido. Actualmente, insígnias internacionais com a Milestone, Collegiate ou Nido estão actualmente a desenvolver projectos que poderão significar um acréscimo de 3.000 camas em residências de estudantes especializadas no Porto.

No que diz respeito ao tipo de alojamento preferido pelos estudantes, varia de acordo com o individuo e orçamento disponível. As novas residências de estudantes (PBSA – Purpose Built Student Accommodation) são edifícios construídos especificamente com este propósito.

Para John Rowlands, Diretor International Business & Valuations da CBRE Portugal “este é um sector que está a tornar-se cada vez mais atractivo em Portugal, mas registamos ainda uma lacuna na oferta de residências de estudantes de boa qualidade. É uma excelente aposta para quem pretende investir no nosso País, uma vez que é esperado um aumento crescente no número de estudantes internacionais.”

A nível internacional, nos últimos vinte anos, o sector deixou de ser considerado um mercado especializado, para se tornar naquilo que hoje se considera ser uma área bem estabelecida dentro do sector imobiliário. A classe de activos oferece ainda boas perspectivas de crescimento de rendas e é reconhecida como sendo contra cíclica.

Rowlands acrescenta ainda “Se compararmos a oferta entre duas capitais europeias, como Lisboa e Londres, a diferença entre o número de estudantes e a oferta de alojamento é abismal. Enquanto em Londres, existem 35 mil camas para cada 300.000 estudantes, em Lisboa registamos o fenómeno de apenas 600 camas para cada 120.000, o que demonstra o potencial desta área.”

No futuro, um dos maiores desafios para os investidores em alojamento para estudantes é a escassez de oferta imobiliária que se verifica em cidades como o Porto ou Lisboa. A falta de imóveis para investimento e a concorrência com outros activos mais em voga, como por exemplo residencial, acabam por se sobrepor ao alojamento universitário. A competição em relação a outros tipos de arrendamento é também um desafio, como é o caso do arrendamento tradicional, não profissionalizado, os serviços online de oferta de residências para estudantes que têm registado um grande crescimento, como é o caso da startup portuguesa, Uniplaces.

Comentário

Submeter

Os comentários são sempre sujeitos a apreciação prévia. Ficam excluídos da sua colocação online os comentários considerados ofensivos, insultuosos, difamatórios, inflamados, discriminatórios, e desadequados ao texto alvo de comentário.