Criar Anúncio!
Entrar na Área Pessoal Lista de imóveis

Data: 9/4/2020
Frequência: Diária
Edições: Gratuitas

Pesquisar Notícias

Pesquisar

29 abril 2015

Continuamos a adaptação às adversidades do presente, incapazes de agir pensando o futuro!

Imprimir
Jorge Garcia, Especialista em Imobiliário

Todos os Países já passaram por isso, uns mais do que outros, mas todos em alguns momentos foram forçados a equilibrar as contas do Estado.

E quando isso acontece prevalece a tentação imediatista e menos eficiente de aumentar impostos ao contrário de agir pensando no futuro, diminuindo as despesas. E neste gigante de dimensão continental onde tudo leva o seu tempo a acontecer é necessário caminhar tão rápido quanto possível para o equilíbrio das contas públicas, única via para a recuperação do crescimento económico através da expansão do investimento, consumo e exportações, prosseguindo a inclusão social. O ajuste fiscal é uma necessidade e o ministro Joaquim Levy e a sua equipe continuam a fazer por merecer o seu “estado de graça” quer no âmbito interno quer junto das instituições económicas e agentes financeiros internacionais.

Enquanto isso de um modo geral, o momento do mercado imobiliário é de redução nos lançamentos das grandes construtoras, preocupadas com o aumento dos distratos e consequentemente dos “estoques”. No decorrer deste mês, a Caixa Económica Federal que representa 70% do mercado de crédito imobiliário voltou a aumentar a taxa de juro dos financiamentos enquadrados no S.F.H. (Sistema Financeiro da Habitação). Sinalizando pretensões governamentais a instituição estabeleceu como prioridade e foco da sua actividade, o financiamento da compra de imóveis novos enquadrados no programa “Minha Casa Minha Vida” utilizando recursos do F.G.T.S. (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

Já em Janeiro a Caixa havia aumentado os juros dos financiamentos com recurso à poupança para suster a demanda e o esgotamento dos fundos daí provenientes. Esta é a principal questão que hoje se coloca decorrente da drástica redução dos recursos disponíveis, em função do crescimento da sua aplicação na concessão de crédito imobiliário nos últimos anos e da fuga dos investidores à caderneta de poupança. Em recente entrevista, Octavio Lazari Júnior, presidente da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança afirmava: “A caderneta só tem mais um ano, no máximo, de fôlego para financiar o crédito imobiliário. Isso considerando o sistema como um todo. Na Caixa, esses recursos já se esgotaram”.

Novos instrumentos de “funding” como LCI (Letras de Crédito Imobiliário), CRI´s Certificados de Recebíveis Imobiliários) e LIG´s (Letras Imobiliárias Garantidas) poderão desempenhar um importante papel no futuro complementando os recursos da poupança e do FGTS. Os operadores do mercado também reagiram com preocupação à redução dos limites de financiamento para imóveis usados. Embora parca em declarações e explicações, a Caixa Económica Federal mantém para este ano a expectativa de atingir resultados semelhantes a 2014 em concessão de crédito imobiliário, cerca de 130 bilhões de reais e mantém a programação do evento “Feirão da Casa Própria” a realizar no próximo mês nas principais capitais estaduais. Por aqui no Ceará, nos segmentos de imóveis populares e até 200 mil reais, a demanda mantém-se particularmente activa, a oferta vai-se ajustando e espera-se que os fundos de poupança e FGTS possam corresponder ao discurso dos decisores e à expectativas dos compradores de imóveis.

Em Portugal um dos assuntos do momento é a queda das taxas de juro de referência, Euribor, para valores negativos, o que acontece pela primeira vez desde que foram criadas. Em Abril, o efeito da taxa negativa a 1 mês já se fez sentir e em Julho espera-se que uma Euribor a 3 meses negativa, possa beneficiar mais de 650 mil famílias com a redução da sua prestação de Crédito a Habitação.

Contrariando as pretensões das instituições financeiras, o Banco de Portugal decidiu que estas vão ter de reflectir essas taxas negativas na prestação mensal de Crédito à Habitação bem como em todas as prestações de contratos de crédito a particulares e empresas. Também de acordo com os principais operadores, o mercado imobiliário continua a reagir bem aos incentivos e a recuperar. As medidas de curto prazo como “golden visa” e autorizações de residência não habituais, a correcção em baixa dos preços de venda dos imóveis nos últimos anos, conduziram a um aumento da demanda internacional e do número de imóveis vendidos.

E depois de esgotarmos o “estoque” vendável de imóveis quais as nossas vantagens competitivas face a outros destinos de investimento imobiliário? E depois de décadas de asfixia do mercado de arrendamento em que a prioridade dos decisores parecia ter-se voltado para o incentivo ao arrendamento residencial. E depois de décadas de ausência de uma política nacional de reabilitação do edificado e de requalificação urbana? Continuamos sem capacidade de definição estratégica. Será que nos 2 lados do oceano continuaremos condenados a reagir por incapacidade de agir pensando o futuro?

Fonte: Jorge Garcia, Especialista em Imobiliário

Total de comentários:1Comentários

(01 mai 15 03:46) wilson dreux

Preço da irresponsabilidade

Pagamos hoje o custo da irresponsabilidade politica! Os Juros subsidiados que a Caixa colocou no mercado para aquisição da casa própria sempre foi irreal e vai nos custar muito caro. Não houve nenhum critério, retrocedemos no tempo, estamos voltando a era do Banco Nacional da Habitação. A crise Internacional e tratada lá fora com seriedade e respeito ao Povo. Sou profissional do Mercado Imobiliário a 33 anos e vejo este quadro atual com muita preocupação. Iremos pagar um preço muito caro! O Plano Real veio para estabilizar a economia, e hoje o governo em troca do poder sacrifica o povo trazendo os juros alto e uma inflação perniciosa.

Comentário

Submeter

Os comentários são sempre sujeitos a apreciação prévia. Ficam excluídos da sua colocação online os comentários considerados ofensivos, insultuosos, difamatórios, inflamados, discriminatórios, e desadequados ao texto alvo de comentário.