Criar Anúncio!
Entrar na Área Pessoal Lista de imóveis

Data: 14/10/2019
Frequência: Diária
Edições: Gratuitas

Pesquisar Notícias

Pesquisar

21 junho 2019

Investimento na construção com maior subida dos últimos 22 anos

construcao

Há 22 anos que não se registava uma subida homóloga do investimento em construção tão acentuada como a registada nos primeiros três meses de 2019. Entre janeiro e março, o investimento aumentou 12,4%, tocando em máximos de 1997. “Foi, de facto, um dos melhores trimestres de que há memória”, sublinha o presidente da Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário (CPCI), em declarações ao Público (acesso condicionado). Manuel Reis Campos frisa que o setor está “finalmente a reocupar o lugar que sempre lhe pertenceu” e está agora a “preparar-se para a próxima década de investimento”.

De acordo com os dados da CPCI, a soma do investimento feito em construção, no primeiro trimestre do ano, atingiu 4.151 milhões de euros, o que representa uma subida de 12,4% face ao mesmo período de 2018. Ainda assim, Manuel Reis Campos nota que o setor continua aquém dos níveis compatíveis com as necessidades de crescimento sustentado do país. “Era preciso que o investimento público fosse, de facto, o calendarizado e programado. Falta um ano para a próxima década, o próximo ciclo, e está tudo por decidir”, nota o responsável, sublinhando que a subida em causa fica essencialmente a dever-se à iniciativa privada.

O presidente da CPCI salienta, nesse sentido, que os indicadores de investimento público continuam muito baixos. “O setor da construção deveria representar 11% do PIB e ainda estamos muito longe disso”, reforça, citando os dados do Observatório das Obras Públicas.

De acordo com esse barómetro, em abril, o investimento público neste setor registou mesmo uma variação negativa de 12%, tendo passado para terreno positivo em maio, com uma subida homóloga de 6%. “Portugal ainda não tem a necessária convergência com a restante Europa, que continua a alertar que o investimento público é essencial”, remata Reis Campos.

Fonte: Eco.pt

Comentário

Submeter

Os comentários são sempre sujeitos a apreciação prévia. Ficam excluídos da sua colocação online os comentários considerados ofensivos, insultuosos, difamatórios, inflamados, discriminatórios, e desadequados ao texto alvo de comentário.